Que toda empresa deve ter uma estratégia de branding, nós sabemos. Mas será que elas sabem como colocar em prática? Para você colocar em ação a sua estratégia de branding, mostraremos o que é necessário estar incluso na estratégia, e como pôr isso em prática.

Entenda a marca

Antes de criar uma iniciativa em toda a empresa para melhorar o posicionamento ou atualizar sua identidade, defina expectativas sobre o que significa construir uma marca e comunique isso para os colaboradores.

Branding e gerenciamento de marca vão além de ações de marketing. Se sua marca quiser apenas imitar os estilos visuais de outras marcas de maior sucesso, é possível que haja a perda de oportunidade de se conectar de forma exclusiva com seu público.

Uma marca deve ser adotada em todo o negócio, isso significa que não é só a parte visual que importa. O branding não é um projeto único. Não há solução rápida para anos de negligência no atendimento ao cliente ou mensagens de marketing inconsistentes. Para construir uma reputação e confiança, você tem que fazer entregas de forma consistente ao longo do tempo.

Além disso, é importante ter em mente que você não pode ser tudo para todos. O público tem diferentes preferências e desejos. Não fique preso em tentar ser muito para muitas pessoas. Se fizer isso, você perderá a essência de sua marca. Dessa forma, é preciso ter uma auto-reflexão organizacional, foco e disciplina para criar uma marca que reflita quem você é e que os clientes preferiam em relação à concorrência. 

Saiba quem você é

O primeiro passo é conhecer e seguir fielmente a personalidade da empresa: saber o que ela tem pra oferecer e como isso é levado para o público alvo. Nesse sentido, agir de forma autêntica é de suma importância.

Uma ação que não pode faltar é o alinhamento com os colaboradores sobre quem você é. Um bom passo para começar é ouvir sua equipe de liderança e trabalhar para alinhar com todos sobre quem você é, o que você defende e o que você deseja ser. Nessa hora, algumas perguntas são necessárias:

  • Quais são as três palavras que você usaria para descrever o comportamento que sua organização deve sempre seguir? E quais três palavras descrevem como você nunca deveria se comportar?
  • Quem são seus principais concorrentes hoje? Descubra quem são e, em seguida, determine o valor que cada um deles oferece e como sua organização se difere singularmente.
  • Quais são as três histórias significativas que você pode compartilhar com seu público que realmente envolvem a essência de sua marca? Não invente nenhuma história fora da realidade. Conte algo real.

Conheça seu público

Saber quem você é não é suficiente para construir uma marca de sucesso. Você precisa unir quem você é com os desejos, necessidades, sensações, objetivos e pontos de dor do seu público.

Muitas vezes, as pessoas que gerenciam as marcas podem se ver tentadas a confiar em suposições que foram estabelecidas ao longo dos anos. Você precisa saber quem é o seu público alvo e o que ele deseja atualmente. Nesse sentido, pesquisas nunca são demais.

O ideal é obter dados qualitativos e quantitativos sobre o seu público, para obter um entendimento dimensional. Você pode ter conversas com clientes em potencial em um evento do setor. Você pode desenterrar dados em ferramentas de análise de sites. Você pode enviar pesquisas.

Não importa o formato de como você conhece seu público, o importante é entender melhor como a sua marca pode se conectar a ele – por meio dos problemas que você resolve, do idioma que você usa e das maneiras como você fala com ele.

Ao coletar as informações necessárias, você pode perceber que tem clientes que não se encaixam no seu propósito. E isso não é um problema. Lembre-se de que você não pode ser tudo para todos. Foque a sua energia em perseguir seu público-alvo.

Traduza a essência da marca

Depois de saber quem você é, é hora de começar a identificar formas que traduzem sua organização em uma identidade de marca e padrões aplicáveis. Ofereça orientações às suas equipes sobre como você se sente ao escrever e ao estilo visual em todos os pontos de contato que o cliente tem com a organização. Uma das ferramentas para ajudar sua empresa a adotar a essência de sua marca é aglomerar todas as diretrizes em um brandbook.

Mas, como traduzir a essência da sua marca? Simples, existem características importantes que formam uma marca, essa são:

Estilos de escrita

Toda marca escreve. O seu time usa a escrita para se comunicar com seu público em todos os pontos de contato, como: e-mails, site, anúncios, mídia social, bots de bate-papo, vídeos, serviços/produtos e etc. Para manter a escrita da sua equipe padronizada, crie alguns padrões para a voz e o tom da sua marca. Pensando nisso, alguns aspectos merecem certo cuidado:

Mensagens da marca

Quais são as principais mensagens que você deseja passar com a sua marca? Como a sua fala traduz para os clientes o que a sua empresa faz?

Mantenha o seu time usando sempre o mesmo slogan, as mesmas descrições e o mesmo formato de fala, para que não seja entregue a mensagem incorreta.

Voz da marca

A voz da marca é a personalidade do seu conteúdo – são as palavras que você usa e o modo como elas são organizadas, com o objetivo de transmitir informações. Uma voz é composta de um vocabulário e ritmo definidos; é autenticamente a sua marca.

Tom da marca

Os tons salientam certos atributos da voz sobre os outros aspectos. Se a sua voz de marca tiver três atributos distintos, um deles pode ser priorizado em relação aos outros em diferentes contextos.

Por exemplo: entre você e mais dois concorrentes, copie e cole parte de algum conteúdo criado de cada um. Não utilize qualquer marca ou nome de produto/serviço. Você conseguiria distinguir a escrita de sua marca sob a da concorrência?

Depois de ter definido o seu estilo de escrita, reserve um tempo para enunciar isso com clareza para toda organização. Como sua empresa é formada por pessoas com diversas formas de escrever, inclua observações claras sobre o seu estilo de redação, dicas sobre como de fato escrever e mostrar exemplos reais de como diferentes áreas que já praticam o formato ideal de estilo de escrita. Como você já deve imaginar, o gerenciamento de uma marca funciona melhor quando há envolvimento e compreensão geral da equipe.

Estilo visual

O visual de uma marca é outra característica muito poderosa para se conectar com o seu público. O conteúdo estando em conjunto com o seu visual, cores, formas e linhas trabalham para provocar emoções. Dessa forma, como você usa todos os elementos visuais do design para capturar a atenção de seus clientes?

Hierarquia

O design funciona como qualquer outra hierarquia. Afinal, ele cria uma classificação e ordem para o seu conteúdo. Quando você cria alguma coisa, pense na importância que a sua mensagem está passando.

Usar uma hierarquia visual permite que o seu conteúdo seja melhor consumido enquanto comunica a importância relativa de diferentes partes. Você provavelmente já está fazendo algum tipo de hierarquia usando cabeçalhos, parágrafos e marcadores. Mas, além disso, use essa hierarquia com o objetivo de mover a atenção para elementos de importância decrescente – do mais importante para o de menor importância.

Equilíbrio

O equilíbrio é a distribuição igual de peso visual em um design. Ele é responsável por colocar partes de um visual dentro de um template, para que fique visualmente agradável. O equilíbrio deve ser sempre buscado, mas pode ser alcançado de várias maneiras.

Existem duas formas de equilíbrio: o simétrico e o assimétrico. O equilíbrio simétrico é o que produz na imagem uma sensação de paz e estabilidade visual. Pense nisso como um reflexo da imagem. O equilíbrio assimétrico é caracterizado pela presença de objetos com pesos visuais iguais, porém produzem informalidade e tensão na composição.

Espaço

É a área onde o projeto será colocado em ação. Pode ser usado para mostrar profundidade e perspectiva. Você também pode usar o espaço para criar ênfase e hierarquia.

Por exemplo, os espaços em branco são tão importantes quanto os objetos em um design, pois é o que ajuda a direcionar os olhos do espectador. Quanto mais espaço em torno de um objeto, mais fácil ficará a percepção dele. Você também pode usar o espaço em branco para fornecer descanso aos olhos, permitindo que o espectador absorva o significado.

Escala e tamanho

Esses dois aspectos em objetos são o que adicionam interesse e ênfase. O tamanho é absoluto. Por exemplo, o tamanho da fonte deste parágrafo é 12. Já a escala é o nível relativo ou grau de comparação entre dois ou mais objetos. A fonte deste parágrafo é menor do que a fonte do cabeçalho, é o que cria uma hierarquia e fluxo para este ebook.

Diferenças sutis em escala apresentam uma imagem mais profissional. Assim como uma diferença maior em escala cria um design mais arrojado e criativo.

Contraste

O contraste tem o objetivo de enfatizar as diferenças entre os elementos em um design, ele pode ser criado com cor, tamanho, formato, espaço, entre outros.

O uso serve para direcionar o foco, criar organização e criar impacto. Um bom uso de alto contraste é entre a cor do texto e o plano de fundo, é o que torna a sua cópia legível. Se em um design houver um elemento menos importante, você poderá usar baixo contraste para não enfatizar.

Estilo de áudio

Como é o som da sua marca? Isso ajudará suas equipes a desenvolver vídeos, podcasts e outras mídias de áudio.

A música

É o que confirma o tom da marca, com a função de desencadear memórias e momentos, de uma forma que nenhum outro meio consegue. O uso da música é uma das coisas que, se for feito corretamente, cria uma experiência imersiva. Porém, quando é feito de forma incorreta, pode ser uma distração.

As narrações

É através das narrações que pode ser criada uma conexão pessoal entre sua empresa e o público alvo. O seu público também consegue identificar rapidamente a emoção em seu tom e ritmo. Além disso, campanhas que possuem o tom de narração correto, tendem a converter muito mais dos que as normais.

Ficou com alguma dúvida ou tens alguma sugestão de assunto para abordarmos? Comente abaixo!